Histórico

A Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo (APOGLBT SP), é uma entidade civil de direito privado, sem finalidades lucrativas, destituída de natureza partidária ou religiosa, filiada à InterPride (Associação Internacional de Organizadores de Eventos do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros) e à ABGLT (Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais), integrante do Fórum Paulista LGTTB e parceira da ANTRA (Articulação Nacional de Travestis, Transexuais e Transgêneros).

Fundada em 1999 por um grupo de militantes que atuava promovendo a cidadania e a auto-estima dos LGBT através da realização e incentivo de atividades, sua trajetória cruza com a das Paradas do Orgulho LGBT em São Paulo, pois foi idealizada para organizar a manifestação que crescia vertiginosamente na época.

O Mês do Orgulho LGBT de São Paulo continua sendo sua ação mais visível, porém, desde 2002, a APOGLBT realiza diversas outras atividades periódicas. Entre elas estão as reuniões temáticas quinzenais em sua sede, que tanto servem como rede de apoio entre seus participantes, reduzindo a vulnerabilidade individual, quanto para a identificação das necessidades de cada segmento da comunidade LGBT.

Atua na formação de jovens e adolescentes, capacitando novas lideranças para o movimento, e coordena diversos projetos específicos de prevenção às DST/Aids e contenção de violência homofóbica.

É produtora de conhecimento, investindo e publicando relatórios e análises sobre as demandas da população LGBT, sobretudo em relação à discriminação, a partir de pesquisas realizadas durante as Paradas.

Executou o projeto Rede Cidadã pelos Direitos Humanos de LGBT e PVHA (pessoas vivendo com HIV/Aids), ampliando sua capacidade de atender a procura por aconselhamento jurídico. Mantém ainda um livro de registro de uniões homoafetivas desde 2004, que já conta com centenas de uniões efetivadas.

A APOGLBT é reconhecida internacionalmente pelo seu histórico de militância e trabalho. Ao longo de sua trajetória, foi contemplada com diversas premiações que validam seus esforços, sendo as mais recentes o 14º Prêmio da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH/PR), na categoria “Dorothy Stang – Defensores de Direitos Humanos”, e o Prêmio Cultural LGBT 2009, da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura.

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: