APOGLBT completa 11 anos de ativismo


Associação depende de doações para a ampliação dos trabalhos

Doação em moedas acumuladas durante um ano visa incentivar ações semelhantes

Neste mês de fevereiro, a APOGLBT completa 11 anos de existência. A entidade, que inicialmente foi criada para organizar a maior manifestação de cunho sócio-politico-cultural da história do Brasil, atualmente acumula projetos e serviços gratuitos prestados à comunidade a fim de reduzir a vulnerabilidade da população LGBT em relação à discriminação, à violência homofóbica, às DST/Aids, à negação de direitos constitucionais e afetivos e à falta de informação. Por se tratar de uma organização não-governamental sem fins lucrativos, a APOGLBT necessita da cooperação do governo, de empresas privadas e da sociedade civil para prosseguir com seus trabalhos.

Num gesto simbólico, o coordenador geral do Mês do Orgulho LGBT de São Paulo, Manoel Zanini, presenteou a Associação em seu aniversário com uma doação de R$ 378,04 (trezentos e setenta e oito reais e quatro centavos) em moedas acumuladas durante um ano. “Juntando pequenos valores dia-a-dia, pode significar, por exemplo, cinco ou seis banners de campanha a mais na Avenida Paulista, durante a Parada” diz Zanini, que com o ato pretende incentivar a participação da comunidade nos projetos da APOGLBT.

A Associação não possui nenhuma forma de arrecadação de verba que não seja através de doação, pois todas as atividades e serviços que presta são gratuitos. Além de quantias em espécie, qualquer pessoa pode doar materiais para escritórios, móveis e aparelhos eletrônicos usados, livros e DVDs. Outra forma de colaborar com o trabalho da APOGLBT é tornado-se voluntario para a organização do Mês do Orgulho LGBT de São Paulo.

A serviço da população LGBT

O Mês do Orgulho LGBT de São Paulo é um símbolo de como o trabalho da APOGLBT vem se multiplicado. O conjunto anual de atividades, que tem como ápice a Parada do Orgulho LGBT, reúne atualmente um vasto ciclo de debates, o Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade, a Feira Cultural LGBT e o Gay Day no Playcenter, além ampliar a discussão acerca da diversidade sexual, movimentar toda a cidade de São Paulo para a auto-estima dos cidadãos LGBT e incentivar ações semelhantes pelos rincões do país.

Durante o ano, a APOGLBT mantém-se como voz ativa da comunidade LGBT, intermediando suas demandas junto às administrações públicas, participando de congressos e fóruns sobre direitos humanos, apoiando e participando de outras manifestações sociais e realizando campanhas de prevenção às DST/Aids. Em sua sede, acolhe vítimas de violência, presta atendimento jurídico e psicológico, mantém grupos de discussão temáticos que servem como rede de apoio entre os participantes e assessora casais homoafetivos no processo de registro de uniões estáveis.

Ao longo de sua trajetória, a Associação constitui-se como uma das mais importantes representações do movimento LGBT no país, sendo reconhecida internacionalmente por seu trabalho. Em 2009, foi duplamente homenageada pela Presidência da República – através da Secretaria Especial dos Direitos Humanos e pelo Ministério da Cultura – como a entidade que mais defendeu os direitos humanos e pelas ações realizadas durante o Mês do Orgulho LGBT de São Paulo.

Para doar qualquer quantia, basta fazê-lo diretamente na sede da APOGLBT, localizada na Praça da República, nº 386, cj. 22, ou através de depósito bancário no banco Bradesco, Agência 3057, C/C 63330-5. Para mais informações sobre como realizar outros tipos de doações ou se voluntariar na APOGLBT, entre em contato através do telefone (11) 3362-8266 ou pelo e-mail paradasp@paradasp.org.br.

Anúncios

2 respostas para APOGLBT completa 11 anos de ativismo

  1. neto disse:

    Inédito no TO
    Primeiro casamento Gay será realizado em Palmas na próxima sexta-feira
    22/02/10 14:28:49

    Apoiados pela Associação Grupo Ipê Amarelo Pela Livre Orientação Sexual – GIAMA, entidade que luta pela cidadania e direitos humanos da população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) de Palmas e Tocantins, Robson José da Silva, 37, Assistente Social e Francisco Neves Neto, 29, Técnico em Enfermagem, assinarão dia 26.02 do corrente,“Escritura Pública de Declaração de União Estável”, termo que atestará a convivência marital do casal. O 2° Tabelionato de Palmas fará a lavratura do documento. Tratar-se-á do primeiro “casamento gay” público celebrado no Tocantins.

    O GIAMA apóia casais homoafetivos que queiram registrar suas relações, especialmente para que no futuro o casal possa se valer juridicamente do registro. O Brasil não reconhece oficialmente a união estável entre pessoas do mesmo sexo, mas registrar em cartório a união (na verdade um contrato de vontades) é um passo importante para que o casal faça valer na Justiça direitos de um matrimônio comum, como partilha de bens e outros direitos inerentes aos casais.

    Os nubentes oficializarão a união contratual as 14h00minh no citado Cartório de registro público no dia 26.02.10. Na noite do mesmo dia haverá uma recepção do casal há amigos íntimos com as bênçãos dos orixás nas águas do Rio Tocantins.

  2. Eliezer Silveira Filho disse:

    Olá, mandei um e-mail pedindo mais informações sobre vonluntariado, gostaria muito de ajudar de alguma forma. Obrigado e sucesso!

    Beijos,

    Eli

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: